quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

... sobrei e não há lugar para mim na terra dos homens.





Escrevo por não ter nada a fazer no mundo: sobrei e não há lugar para mim na terra dos homens. Escrevo porque sou um desesperado e estou cansado, não suporto mais a rotina de me ser e se não fosse a sempre novidade que é escrever, eu morreria simbolicamente todos os dias. Mas preparado estou para sair discretamente pela saída da porta dos fundos. Experimentei quase tudo, inclusive a paixão e o seu desespero. E agora só quereria o que eu tivesse sido e não fui.



Clarice Lispector, A hora da estrela

terça-feira, 25 de janeiro de 2011

Tornava - se toda dramática e viver doía.




Ela sabia o que era o desejo - embora não soubesse que sabia. Era assim: ficava faminta, mas não de comida, era um gosto meio doloroso que subia do baixo ventre e arrepiava o bico dos seios e os braços vazios sem abraço. Tornava - se toda dramática e viver doía.




Clarice Lispector, A hora da estrela