sexta-feira, 31 de agosto de 2012

Será que há mesmo uma pessoa em cada corpo?





E, em alguns raros momentos, era capaz de entrever toda sua imensa fome, o desvão de sua natureza, o universo à sua volta a girar, a girar sem encontrar respostas, sem fazer sentido. Em alguns raros momentos se rendia. Não era amada! Em outros, lutava.

Será que há mesmo uma pessoa em cada corpo?

São estes pés, estas pernas, braços, tronco, cabeça, que fazem uma pessoa? Aqui habita alguém inteiro? De quantas partes é feita uma pessoa: boca, olhos, uma história, graça, humor, desejo, simpatia, covinhas, sorrisos, lágrimas, medo, talento, jeito? Pedaços de pessoas... de quantos pedaços é feita uma pessoa? O que falta a uma pessoa? E a outra pessoa? É parte da minha pessoa? O outro que não tenho não é uma parte de mim? Como ser a mulher de alguém, a filha de alguém, a mãe de alguém, se eu não os tenho? Como me saber alguém, se não tenho? De que histórias é feita uma pessoa, de que outros? 






Paulo César Nogueira Junqueira