sexta-feira, 25 de julho de 2014

Ás vezes é tão estranho ser uma pessoa.

Eu gostava muito dele, das mãos, dos pés, do hálito (mau), dos dentes (escuros), de tudo que era lindo e de tudo que era feio nele. Fantasiei telefonemas. Hesitei entre ir ao Açougue tomar mais um conhaque e vir para casa. Vim. A secretária no zero. Mas não vou ceder. Foi a ultima paixão. Paixão é o que dá sentido à vida. E foi a última. Tenho certeza absoluta disso. Agora me tornarei uma pessoa daquelas que se cuidam para não se envolver. Já tenho um passado, tenho tanta história. Meu coração está ardido de meias-solas. Sei um pouco das coisas? Acho que sim. Tive tanta taquicardia hoje. Estou por aí, agora. Penso nele, sim, penso nele. Mas não vou ceder. Certo, certo: ninguém tem obrigação de satisfazer ao teu desejo, pela simples razão de que você supõe que teu desejo seja absoluto. Foda-se seu desejo, ora. Me dói não ter podido mostrar minha face. Me dói ter passado tanto tempo atento a ele — quando ele nunca ficou atento a mim. E eu passei tanta coisa dura. Rita Lee canta “são coisas da vida”. Meu embalinho vai passando, o gosto do Strega persiste na boca. Hoje senti alguns impulsos tipo tesão, corpo fisico. As vezes é tão estranho ser uma pessoa. A gente é.

(Caio F.- Cartas)

Um comentário:

PAULO TAMBURRO. disse...

Caio Fabio imortal,pena que nos tenha deixado tão cedo!!!


Um pedido: Visite amiga virtual,o blog FRAGMENTOS AO ACASO,que substituiu,SEXO É UM PRODUTO DE CONSUMO,que cumpriu sua função e objetivos.

FRAGMENTOS AO ACASO, são narrativas que certamente irão levar a todos a uma reflexão existencial.

Seu comentário é essencial, já que você é uma das minhas seguidoras.

Um abração carioca